Por que não comemoro o Dia Internacional da Mulher

8 03 2009

O mundo todo fica todo florido hoje, dia 8 de março. Muitos votos de felicidade para as mulheres, pois a final, hoje é o Dia Internacional da Mulher! Mas eu não comemoro esse dia. Eu não desejo a nenhuma mulher nada pelo dia de hoje. Eu acho isso uma incrível e tremenda hipocrisia. Por quê? Bem, porque eu me perguntei há algum tempo, “por que se comemora o dia internacional da mulher”? E a resposta abriu meus olhos.

Tudo começou com a industrialização do mundo. O trabalho começa a migrar do campo e do artesanato pras fábricas e indústrias. Como tudo era muito novo, o foco dos industriários era o trabalho e a produção e pouco se pensava sobre o trabalhador. A final, o trabalhador já estava “acostumado” a ser mal tratado nos campos e nas produções artesanais onde era empregado (ou praticamente escravo com pouco pagamento).

Nessa época, final do século XIX, início do século XX, todos trabalhavam, homens, mulheres, jovens, velhos, crianças. As contas eram muitas e o pagamento era pouco. Se a pessoa tinha a mínima condição física de trabalhar, ela trabalhava. Crianças de 4 anos estavam nos chãos de fábrica e idosos com mais de 60 também. Homens e mulheres trabalhavam com certa igualdade, mas é claro que a mão-de-obra masculina ainda era mais valorizada, pelo simples motivo que o mundo era machista e entendia que o homem tinha mais força física, maior inteligência e mais resitência para aguentar o trabalho das fábricas. Mas mesmo assim as mulheres trabalhavam.

Nessa época começaram os primeiros movimentos feministas ou de valorização (e muitas vezes exagerado, temos que reconhecer, mas talvez necessário) do trabalho da mulher. Muitas mulheres protestavam nessa época tentando ter mais direitos enquanto trabalhadoras. Muitas morreram tentando isso em vários protestos. Reza a lenda que várias delas foram trancadas dentro de um prédio de uma malharia com início de incêndio e foram queimadas vivas. Muitas outras morreram pisoteadas nas manifestações ou nas mãos dos policiais que tentavam conter as coisas.

Esses grupos feministas, com o apoio dos partidos comunistas e socialistas do mundo todo, elegeram o dia 8 de março como o dia internacional da mulher devido a uma manifestação onde várias mulheres morreram, para reconhecermos nesse dia o valor da força da mulher no trabalho. E conseguiram. Em Copenhagen, em 1910, esses grupos feministas e socialistas organizaram uma conferência que declarou dia 8 de março como o dia internacional da mulher.

Esse dia foi comemorado nas décadas de 1910 e 1920, mas depois esfriou, até a década de 1960 quando, durante a guerra fria, ele voltou a ser comemorado. E 1975 a ONU declara como o Ano Internacional da Mulher e começa a patrocinar a comemoração do Dia Internacional da Mulher. E parece que deu certo. Nos anos ’80, o trabalho das mulheres começa a ser mais valorizado e muitas começam a ter lugares de privilégio nos trabalhos, gerência e até mesmo presidência.

Mas hoje em dia isso tudo só passa como desculpa para se vender flores e chocolates e batons e cosméticos. Virou comercial, como tudo. Hoje, o Dia Internacional da Mulher só significa que as lojas de produtos femininos vão vender um pouco mais, que as floriculturas também. Hoje, quando falamos do Dia Internacional da Mulher, não pensamos na luta pela valorização das mulheres. Além disso, estamos comemorando o martírio de várias delas com flores e chocolates. COMEMORAMOS o Martírio de Mulheres! Isso não é meio estranho para um dia que deveria ser de valorização?

E outra. Hoje em dia, sinceramente, isso parece estar meio datado. As mulheres já conseguiram o que queria e se igualaram aos homens. Já podem usar calças, não precisam mais ter filhos para serem alguém na sociedade e podem trabalhar o quanto quiserem, falar grosso e beber cerveja, como todas as outras pessoas. Era isso que as mulheres queriam, né? Se tornarem iguais aos homens. Tá, e agora que conseguiram, querem ter um dia para que os homens se lembrem disso. E enquanto os outros 364 dias? Bem, esses ficam para os homens, né? Já que só existe um dia internacional pra mulher, os outros dias são para os homens!

Acho uma tremenda hipocrisia isso. Se conseguimos valorizar as mulheres e idenficá-las como iguais, precisamos então diferenciá-las com um dia exclusivo? Pode parecer #mimimi de homem querendo também ter um dia de valorização do homem, mas não é. Sinceramente, não gosto dos homens e prefiro muito mais as mulheres, mas mesmo assim, enquanto psicólogo, sou forçado a reconhecer que o século XXI será das mulheres enquanto os homens entram em crise. Estamos vivendo uma crise da masculinidade apontada por vários pesquisadores hoje em dia.

Os homens já não sabem mais qual é o seu lugar na sociedade. Muitos, que foram criados para o trabalho, hoje cuidam das casas, dos filhos, enquanto as mulheres trabalham. Os homens, que eram proibidos de brincarem de casinha, hoje fazem isso de verdade. E frente a isso se sentem impotentes para fazer qualquer outra coisa, impotentes para dizerem não às mulheres e com isso se tornam impotentes diante das mulheres. E não respondem como os homens são supostamente esperados a responder na cama (ou em qualquer outro lugar). As mulheres então correm atrás de outros homens e os homens atrás de outras mulheres que não os precionem tanto. Casamentos acabam devido a isso. Famílias são destruídas por causa disso. Homens que não se sentem homens buscam isso na violência, no alcoolismo, nas drogas, nas brigas, batendo nas mulheres e nos filhos. Homens só precisam bater nos outros  para diminuir o outro e se sentir maior. Violência familiar acontece principalmente porque os homens não sabem mais qual é o seu lugar e procuram isso através da única forma que sabem: violência, a mais primitiva busca pelo poder.

É claro que a crise da masculinidade não tem nada a ver com o Dia Internacional da Mulher. Mas, sinceramente, diante desse mundo onde vivemos, e diante de tudo isso, vale a pena comemorar o Dia Internacional da Mulher? Será quem em pleno Século XXI vale a pena comemorar o massacre e o martírio de mulheres no início do século XX com flores e chocolates e tiras cor-de-rosa? Vale a pena trazer a feminilidade à tona, a delicadeza das mulheres, a beleza e a sutileza do “sexo frágil” sendo que elas hoje em dia estão muito mais fortes do que os homens? Será que temos que ser hipócritas o suficiente para dar um dia para as mulheres, darmos os parabéns por elas não terem pênis e sangrarem todos os meses com direito a cólicas e dores de cabeça, só para que o resto do ano a gente possa ter a desculpa pra não fazer isso?

Me desculpem as mulheres, mas de mim vocês não vão ouvir hoje nenhum voto de parabéns ou felicidades. Mas saibam que de mim vocês vão ter durante os 365,25 dias do ano todo o respeito e valorização que vocês merecem. Não preciso de um decreto de um dia internacional pra reconhecer o quanto adoro as mulheres e o quanto eu quero sempre tê-las comigo.

About these ads

Ações

Information

2 responses

8 03 2009
Rafael Arcanjo

Eu não falaria melhor. Assino embaixo!

8 03 2009
L. R. Maruo

Parabéns pelo post Pablo.

Obs: Não sou stalker. Vi o seu blog outro dia em algum post do nerd Curitibano e resolvi passar.

Falando em outro assunto, qual a ferramenta que você está usando para o podcast no N95 ? é a original da Nokia?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: